Você sabe como funciona?  
 
Uma modalidade de remuneração tem ganhado mais espaço entre as empresas brasileiras e ganhou mais força ainda com a reforma trabalhista que está em vigor desde novembro/2017: trata-se da remuneração por produtividade. 

Essa modalidade de remuneração nada mais é do que remunerar o empregado por aquilo que ele produz, ou seja, quanto mais ele produz, mais ele recebe e o inverso também. O trabalhador recebe pela quantidade e qualidade dos bens ou serviços fornecidos para o empregador. 

Com esta nova regra trabalhista, muitas indústrias começaram a adotar este formato de remuneração, como por exemplo, os fabricantes de cosméticos que começaram a fixar o salário de um empregado conforme a quantidade de produtos produzidos em um mês.

Esta prática já era largamente utilizada, sendo mais comum aos profissionais de vendas por receberem comissões, onde a empresa remunera conforme a quantidade de vendas realizadas ou ao alcance de determinada meta.

Diante da possibilidade de ampliar este formato de remuneração para outros departamentos, muitas dúvidas surgiram, principalmente para os empresários e gestores de RH. Afinal, como esta nova regra irá funcionar na prática?  

A reforma trabalhista trouxe a tona esta discussão quando determinou que aquilo que for negociado pelos sindicatos deve prevalecer sobre o que está previsto em lei. Sendo assim, a remuneração de um trabalhador pode ser composta única e exclusivamente por produtividade, ou seja, sem qualquer parte fixa. 

Entretanto, nessa forma de remuneração, a Constituição Federal garante que o trabalhador receba pelo menos 1 (um) salário mínimo. Ou seja, caso ele não alcance as metas pré-estabelecidas de produtividade, ele tem o direito de receber o salário mínimo vigente. Essa questão ainda será discutida mas, por ser a Constituição Federal, a lei máxima a tendência é que isso continue valendo. 

Sendo assim, caso seja benéfico para a empresa e para os trabalhadores, é possível firmar um acordo coletivo com o sindicato onde o salário seria composto apenas por remuneração por produtividade, porém, caso as metas pré-estabelecidas não sejam alcançadas a empresa deverá complementar o salário pago até que ele alcance o valor do salário mínimo vigente do país.

_____________________
TIRE SUAS DÚVIDAS CONOSCO: A equipe Parluto Advogados coloca-se à disposição para maiores esclarecimentos (comunicacao@parluto.com.br)
 
Fonte: Parluto Advogados
ABC - Associação Brasileira de Cosmetologia
Rua Ana Catharina Randi, 25
Jd.Petropolis
São Paulo – SP
CEP: 04637-130
Fone: +55 (11) 5044-5466
COMO CHEGAR